Cão ficou com o corpo todo torto após ficar preso 2 anos em uma gaiola

Cão ficou com o corpo todo torto após ficar preso 2 anos em uma gaiola

Parece mentira o que aconteceu com esse cãozinho, ele foi mantido em uma gaiola por 2 anos, o cachorrinho chamado Landis ficou preso por dois anos em uma pequena gaiola, para você ter noção a gaiola era tão pequena que o cachorrinho tinha que se curvar para caber nela.

Nessas condições o cãozinho acabou ficando com o corpo deformado, pois ele não conseguia crescer adequadamente, devido a falta de espaço na gaiola.

Graças a uma ONG na Geórgia o cachorrinho Landis conheceu a liberdade, deixando de lado aquela vida injusta que estava levando.

A primeira providencia da ONG foi levar o cachorrinho a um hospital veterinário para receber os primeiros socorros.

Landis permaneceu em um abrigo enquanto recebia muito cuidado

Embora os abrigos possam ser ambientes estressantes para muitos cachorros, esse era o paraíso para Landis em comparação com a vida que levava.

O abrigo entrou em contato com o instituto Second Chance Rescue em Nova York para conseguir mais assistência para o cachorrinho e obtiveram sucesso, conseguiram a ajuda.

Landis recebeu um tratamento médico especializado e passou fisioterapia e hidroterapia para ajudar a endireitar seu corpo, que dava muita aflição ver ele daquele jeito.

Cão ficou com o corpo todo torto após ficar preso

Apesar de tudo o que passou, o cachorrinho é muito fofo e manso, ele adora receber atenção e muito carinho.

A melhor noticia de todas é que Landis conseguiu encontrar um lar com uma família amorosa e muito atenciosa em Massachusetts.

Ele está morando a minutos da praia, onde o cachorrinho pode correr a vontade na areia, o que é ótimo para ele na sua recuperação. Ele também tem um quintal grande e cercado onde ele brinca com seus dois irmãos.

Veja o vídeo do cachorrinho :

Essa jornada do cachorro Landis é emocionante! Gostou desse artigo? Compartilhe com seus amigos nas redes sociais para que mais pessoas conheça a sua história.

Créditos : historiascomvalor

Envie seu comentário